quinta-feira, 2 de junho de 2011

Ser Mãe

Recebi por e-mail de uma amiga muito querida e achei interessante para compartilhar, se você conhecer a autora pode me informar para que eu possa colocar....


Caminhava com a minha filha de 4 anos, quando ela apanhou qualquer coisa do chão e ia por na boca.
Expliquei a ela para nunca fazer isso.
- Mas porquê? - perguntou ela.
Respondi que se estava no chão estava sujo, cheio de micróbios que causam doenças.
Nesse momento, minha filha olhou-me com admiração e perguntou:
- Mamãe, como você sabe tudo isso? Você é tão inteligente!
Rapidamente refleti, e respondi-lhe:
- Todas as mamães sabem estas coisas. Quando alguém quer ser mamãe, tem que fazer um grande teste e tem que saber todas estas coisas, senão, não pode ser mamãe.
Caminhamos em silêncio cerca de 2, 3 minutos. Vi que ela pensava ainda sobre o assunto e de repente disse:
- Ah, já entendi. Se vc não passasse no teste, você era o papai!
- Exatamente! - respondi com um enorme sorriso...



(Autora desconhecida)

terça-feira, 19 de abril de 2011

O Poder da Língua

"A língua benigna é árvore de vida, mas a perversidade nela deprime o espírito." Provérbios 15:4


Certa vez, um homem tanto falou que seu vizinho era ladrão, que o vizinho acabou sendo preso. Algum tempo depois, descobriram que o rapaz era inocente, ele foi solto, e, após muita humilhação resolveu processar seu vizinho (o caluniador).
No tribunal, o caluniador disse ao juiz:
- Comentários não causam tanto mal... e o juiz respondeu:
- Escreva os comentários que você fez sobre ele num papel, depois pique o papel e jogue os pedaços pelo caminho de casa e amanhã volte para ouvir a sentença!

O homem obedeceu e voltou no dia seguinte, quando o juiz disse:
- Antes da sentença, terá que catar os pedaços de papel que espalhou ontem!
- Não posso fazer isso, meritíssimo! - respondeu o homem - o vento deve tê-los espalhados por tudo quanto é lugar e já não sei onde estão!

Ao que o juiz respondeu:
- Da mesma maneira, um simples comentário que pode destruir a honra de um homem, espalha-se a ponto de não podermos consertar o mal causado; se não se pode falar bem de uma pessoa, é melhor que não se diga nada!

Sejamos senhores de nossa língua, para não sermos escravos de nossas palavras.
No mundo sempre existirão pessoas que vão te amar pelo que você é, e outras que vão te odiar pelo mesmo motivo. Acostume-se...
Quem ama não vê defeitos... quem odeia não vê qualidades e, quem é amigo, vê as duas coisas!!!

Recebi este texto por e-mail de uma amiga e achei um tanto interessante que resolvi postar para cuidarmos cada mais de nós e da nossa salvação do que da vida dos outros!!!
Boa semana a todos!!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

QUANDO RECONHECER QUE ERROU É TARDE DEMAIS!

aO NAVEGAR NA INTERNET, ENCONTREI ESTE TEXTO DESTE pASTOR, UM HOMEM SÁBIO, E GOSTARIA DE COMPARTILHAR AQUI NO BLOG!


QUANDO RECONHECER QUE ERROU É TARDE DEMAIS!

Por Josué Gonçalves

Era uma vez um rapaz que ia muito na escola. Suas notas e o comportamento eram uma decepção para seus pais que, como bons cristãos, sonhavam em vê-lo formado e bem sucedido.
UM BELO DIA, O BOM PAI LHE PROPÔS UM ACORDO:
- Se você, meu filho, mudar o comportamento, se dedicar aos estudos e conseguir ser aprovado no vestibular para a Faculdade de Medicina, lhe darei então um carro de presente. Por causa de carro, o rapaz mudou da água para o vinho. Passou a estudar como nunca e a ter um comportamento exemplar. O pai estava feliz, mas tinha uma preocupação. Sabia que a mudança do Rapaz não era fruto de uma conversão sincera, mas apenas do interesse em obter o automóvel. Isso era mau !
O rapaz seguia os estudos e aguardava o resultado de seus esforços. Assim, o grande dia chegou ! Fora aprovado para o curso de Medicina. Como havia prometido, o pai convidou a família e os amigos para uma festa de comemoração. O rapaz tinha por certo que na festa o pai lhe daria o automóvel.
Quando pediu a palavra, o pai elogiou o resultado obtido pelo filho e lhe passou às mãos uma caixa de presente, Crendo que ali estavam as chaves do carro, o rapaz abriu emocionado o pacote. Para sua surpresa era uma BÍBLIA. O rapaz ficou visivelmente decepcionado e nada disse.
A partir daquele dia, o silencio e distancia separavam pai e filho. O jovem se sentia traído e, agora, lutava para ser independente. Deixou a casa dos pais e foi morar no Campus da Universidade. Raramente mandava notícias à família. O tempo passou, ele se formou conseguiu um emprego em um bom hospital e se esqueceu completamente do pai. Todas as tentativas do pai para reatar os laços foram em vão. Até que um dia o velho, muito triste com a situação, adoeceu e não resistiu. FALECEU...
No enterro, a mãe entregou ao filho, indiferente, a BÍBLIA que tinha sido o último presente do pai e que havia sido deixada para trás. De volta à sua casa, o rapaz, que nunca perdoara o pai, quando colocou o livro numa estante, notou que havia um envelope dentro Dele. Ao abri-lo, encontrou uma carta e um cheque. A CARTA DIZIA:
"Meu querido filho, sei o quanto você deseja ter um carro Eu prometi e aqui está o cheque para que você escolha aquele que mais lhe agradar. No entanto, fiz questão de lhe dar um presente ainda melhor: A BÍBLIA SAGRADA. Nela aprenderás o AMOR A DEUS e a fazer o bem, não pelo prazer da recompensa, mas pela gratidão e pelo dever de consciência".
Corroído de remorso, o filho caiu em profundo pranto.
E A CARTA FINALIZAVA ASSIM:
"Como é triste a vida dos que não sabem perdoar. Isso leva a erros terríveis e a um fim ainda pior. Antes que seja tarde, perdoe aquele a quem você pensa ter lhe feito mal. Talvez se olhar com cuidado, vai ver que há também um cheque escondido".  Antes de fazer qualquer julgamento, pense, reflita, durma sobre a questão, porque a precipitação pode nos trair e nos roubar os tesouros mais preciosos que nós temos. Leia 1 Corintios cap 13.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Orar primeiro

LEITURA BÍBLICA
Marcos 1.35-39

Jesus, tendo-se levantado de madrugada, saiu, foi para um lugar deserto, e ali orava (Mc 1.35 ARA).

Dentro de minutos um casal de missionários com seus dois filhos iam embarcar e despediam-se dos avós. Em pé numa roda, conversavam animadamente quando ouviram o filho de cinco anos perguntar: “Mas a gente não vai orar primeiro?”

Todos pararam de conversar e olharam para Carlito. O pai dele disse: “Mas, sim, Carlito, vamos orar.” Fecharam a roda, seguraram as mãos e inclinaram as cabeças enquanto o pai dirigiu uma oração a Deus por uma viagem em paz.

Se Carlito não falasse, facilmente poderiam esquecer seu costume de orar antes de viajar. Graças a Deus, chegaram em paz ao seu destino. Às vezes nos esquecemos de orar.


Recebido de Pão Diário 


A pressão das tarefas e obrigações toma nossa atenção e perdemos a direção de Deus. Depois de um tempo, podemos lembrar-nos e perguntar: Mas por que não orei primeiro? O jovem Timóteo recebeu um conselho de seu mentor, Paulo, assim: “Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas...” (1Tm 2.1 ARA). Assim, seguiria o exemplo de Jesus, o qual orava antes de fazer qualquer coisa. Antes de subir ao Calvário, entrou no Getsêmani e orou fervorosamente ao Pai para que fosse feita a Sua vontade.

Tomando a frase de Paulo, “antes de tudo”, oremos antes de começar nosso dia; antes de tomar uma decisão importante; antes de viajar; antes de nos mudar ou antes de contemplar qualquer novo relacionamento ou outra situação na vida.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O piquenique das tartaruga

Nesta crônica de Millor Fernandes você tem duas opções: rir ou refletir. Mto interessante!!!!

Uma família de tartarugas decidiu sair para um piquenique. 
As tartarugas, sendo naturalmente lentas, levaram 7 anos preparando-se para o passeio. 
Passados 6 meses, após acharem o lugar ideal, 
ao desembalarem a cesta de piquenique descobriram que estavam sem sal. 
Então, designaram a tartaruga mais nova para voltar para casa e pegar o salpor ser a mais rápida. 
A pequena tartaruga lamentou, chorou e esperneou, mas concordou em ir com uma condição: 
que ninguém comeria até que ela retornasse. 
Três anos se passaram... Seis anos... E a pequenina não tinha retornado. 
Ao sétimo ano de sua ausência, a tartaruga mais velha já não suportando mais a fome, 
decidiu desembalar um sanduíche. 
Nesta hora, a pequena tartaruga saiu de trás de uma árvore e gritou: 
Viu! Eu sabia que vocês não iam me esperar. Agora que eu não vou mesmo buscar o sal.

Pense bem! Algumas vezes em nossa vidas as coisas acontecem da mesma forma. Desperdiçamos nosso tempo esperando que as pessoas vivam à altura de nossas expectativas. Ficamos tão preocupados com o que os outros estão fazendo que deixamos de fazer o que nos compete.

Como disse Mário Quintana: O pior dos problemas da gente é que ninguém tem nada com isso. 
Por isso, vivamos nossa vida e deixe de se preocupar com a opinião e o interesse dos outros por nós. 

Não venci todas as vezes que lutei, mas perdi todas as vezes que deixei de lutar!


Recebido por email.